taco da lôca

Um caso a ser seguido em nossa prosa, musicada e imaginada durante uma semana em que o narrador e protagonista insiste no que talvez chamássemos singularidade não constrangedora, isto é, aquela que respeita a platitude segundo a qual o seu desejo tem duas e apenas duas opções: realizar-se sem restringir o desejo do outro OU realizar-se para provar que o desejo do outro, na verdade, não compensa ou até mesmo não existe. Neste livro, os desejos de grandes conglomerados corporativos e políticos profissionais, por exemplo, são atacáveis porque são inválidos, não humanos.  Insiste-se: o autor é paciente com o mau desenho social sem ser acrítico.

a coisa do eu. até as lamas na questão do si. mesmo, no caso. no caos. sobrevivendo no inferno. umbigo, 2 bigo. taxista ouvindo pan, no programa da tarde o ex bbb bam bam. humanista agressivo. os que sentam no corredor e dão meia licença, os que pedem info na porta do busão sem dar uma nesga pra quem quer entrar.

os direitos dizimados um a um, dia a dia. a real humanitik q regaça como todo mundo o xingú e posta brum.
mata uma aldeia a cada carregada do aifone 5. quem nunca? as mortes por selfie, que ultrapassam ataques de tubarão.

o ex de anita. a publicação do tico.
o meme da vez.
prêmio hídrico, jornalismo wando. você não me avisou, amor. podemos tirar se achar melhor. todos estão surdos, todos estão soltos.

ins-galan

Ao contrário, Bruno Galan apresenta, como no trecho acima, a descrição nevrálgica do romancista decantado de mãos dadas com a crítica. Engaja-se, pois. Não abre mão de ser e pensar o político dentro do experimento e entende que um sujeito nunca se esvaziará o suficiente para pronunciar abobrinhas do tipo “não ligo para política”.

No posfácio da presente edição, o editor Guilherme Coube arrisca hipóteses:

Não é só o desejo de ‘ser escritor original’ no pátio de reproduções majoritariamente insossas e inconsequentes do Facebook, mas é, sobretudo, a coragem de ‘mostrar como escrevo’ aquilo que você não perde por esperar.

Isso ou não, o livro passa fincado em nossa época, na forma e no fundo.

Taco da lôca é lançado 15 de janeiro na Feira Plana com esperadas aparições do sr. Galan.

Deixe uma resposta

Post Navigation