gan ref a sisop.o ^ stju

poema pode não agora é longe
do poema se quiser pra frente é longe
do poema se quiser poema não
deixa ele chegar apronta antes
do poema um nômades e foge
para longe do poema eu disse longe

poema pode não agora é corra
que a milícia vem aí queimar poema
corra, a simpática milícia vem aí com frase-termo
biruta dura e ética
de manicômio

não vou
não vou buscá-lo, meu poema
não vale o ingresso, o esforçado
o vale fúrdio / [dedo em riste]
da criação difícil

antes sento, espero fácil
i can do that, no disrespect
but that’s how i am–

glass

esta história específica também pode falhar
o poema pode vencer e pode ser
que ninguém note
a vitória do poema no contato trunfado
com a treva
seria como repetir
aquelas besteiras do deleuze
aquelas tipo congato/não-congato
não sei
essas ideias são boas para dançar a cabeça
para por e tirar o pijama
testa derrocada dos tontões negociam o futuro
como se impor uma
entre as tantas situações
possíveis
através de um poder quente na barriga frio
na sutileza
não fosse não
revivê-la

eu estou sendo claro

 

escuro eu diria

(você não me viu escuro)

há sobre o muro
rosa futura
pomba dobrada
miró pixado
canja engrossada
milho&mandioca
senso de nunca
suco de história
SOBRE AS HISTÓRIAS
enterradaças