Quem do barro é pulso e carta
Lacrada na cera canto
Hélice debruada no sol
Calor, feitiço aro e sorvo
Libra de rádio decente
Cúspide escada fremente
Laivo cão, felino esforço
Cosme rastilho sem áspide
Voga Damião sem repente
Rente dum Cosme sem rafa
Tato yá Doum sá y semente

— — —
Poema de Samba de Pombo, livro a sair pela Touro logo mais.

Comments are closed.

Post Navigation