NEM ME LIXO

Porque:

1) São Paulo tem dificuldades de limpeza;

2) A contratação de “varrimento” (é muito mais que isso) está emperrada por desacordo entre poder público e pessoas jurídicas do direito privado;

3) O lixo acumulado obstrui a mobilidade e o bem-estar;

4) Está mais do que na hora de pensarmos, sociedade civil, num trato maduro com o lixo que nós mesmos produzimos (por que descartamos/aceitamos descartar o que descartamos, para onde vai tanto lixo, por que não tratamos no nível local, por que esperar que outras pessoas cuidem do descarte que é nosso etc)
5) Temos tecnologia de telecomunicação, mobilização, competição, performance, verificação e estímulo e difusão midiática;

6) As telecomunicação, mobilização, competição, performance, verificação e estímulo e difusão midiática da internet atual nos colocam ESTAGNADOS numa ‘caixa de areia’, jogando a versão degustação de sua potência instalada, beirando a neurose que resulta da frustração ou do déficit entre a potência instalada e os atos de transformação do mundo (tentando ‘resolver’ a ansiedade por meio de apelos de transgressão, como quem diz “olhem pra gente, pra nossa coragem, pro nosso tamanho” etc),

sugiro darmos o passo que NÃO SERÁ DADO POR NINGUÉM QUE NÃO NÓS:

DA CAIXA DE AREIA PARA A DEMOCRACIA.

— Como?

Operando a transição ativamente (sem esperar instruções e estímulos prontos, posto que muitas vezes aceitamos segui-los sem entender o sentido daquilo, e como aqiulo de fato colabora com a obra humana no planeta) mas começando devagarinho e docemente.

— Dá um exemplo.

Sim. Vamos crescer a ideia, aqui em sinopse, do jogo

NEM ME LIXO


• Consiste o jogo NEM ME LIXO, primeiramente,
na assunção do problema do lixo
como um problema importante e comum •

Se estivermos de acordo que
i) o problema do lixo é importante e comum,
ii) a situação emergencial justifica intervenção radicalmente inovadora, e
iii) o exercício pode ser um bom laboratório em grande escala da gradual transformação democrática (afinal, por que faríamos política à moda antiga com as ferramentas atuais?),

então, e considerando sempre
que o problema foi considerado comum e importante,
NEM ME LIXO pedirá em seguida que:

A) o contingente populacional interessado em participar se agrupa em categorias de SKILLS (por ex.: desenho e/ou fabrico de transportes leves e ferramentas de coleta; desenho e/ou fabrico de estações portáteis de tratamento (separação, adensamento, eliminação química, geração de material reciclado); desenho e/ou fabrico de objetos reciclados e soluções de reuso; mão na massa (todos));

B) o contingente populacional interessado em participar se agrupa demograficamente (distritos);

C) uma vez agrupado em uma ou mais skills, e pertencente a um distrito, você pode, na fase emergencial do jogo, ganhar preciosos pontos cósmicos (numa outra oportunidade eu revelo os detalhes dessa pontuação) conforme mostre VALOR REAL à comunidade humana e transforme visível e concretamente a situação da vida (o que de modo algum impede que a aliança mercado Estado premie as performances de modo mundano)

Atitude não será obedecer o que nos chega imposto ou pré-formatado. Isso seria tentar forçar virtude libertária em eventos cujos significados profundos, justificações públicas e consequências materiais restassem escondidos ou simplesmente ignorados.

Antes, faremos nós o desenho do jogo a partir da constatação evidente de compartilharmos uma cidade problemática, espaço público adoentado, pessoas jurídicas de direito privado essencialmente apartadas da preocupação humana, e um poder público sobrecarregado por prioridades múltiplas numa organização obsoleta.

NÃO DARÃO ESSE PASSO POR NÓS

Se não nos movermos antes, dignificando a alta potência da internet e sua genial arquitetura com um impacto de transformação em grande escala, concreto e estruturante, restaremos de novo e de novo atrofiando o cérebro na caixa de areia, falsamente livres, mas nas mãos condutoras de atores com interesses não necessariamente coincidentes com o bem comum.

Sendo esta apenas uma semente, sintam-se à vontade para crescer.

Cinco nomes brasileiros – estudo de capa

Das 129.854 palavras após a primeira revisão, restaram 120.120 após a segunda. Deslumbres vis, cacoetes, repetições, gralhas, digressões nauseantes e primarismos sintáticos foram sanados. Confusões voluntárias e sentenças e parágrafos demasiado longos, atenuados até onde permite a autocrítica do editor de si. O autor está satisfeito com o terceiro tratamento. Por isso, vestiu-se de desenhista e arriscou uma capa. A novidade, em comparação com a do livro anterior (Da família – um longo ensaio imaginativo), é a presença de orelhas. Nela, o publisher pediu ao crítico um resumo abonador, desde que sincero e elegante.

dois poemas: hilda hilst

Épura, que translúcida
Se projeta.

Épura, feixe solar,
E de cristal. E ereta.

Épura, que a um só tempo
Se renova. E sem limite
Ou aresta

Toma corpo no Todo
E recomeça.

* * *
Do livro Exercícios para uma ideia (1967)
* * *

Túlio: há palavras escuras,
Guardadas, duros ramos
Dentro das arcas. Roxura
Por exemplo. É ânsia.
Convém lembrá-las
Porque me faço mordente
Nesta minha armadura,
Soberbosa, cansada
Do teu silêncio
E do laivoso das gentes.
Há palavras escuras.
Hederoso, por exemplo.
É abundante de heras.
Habena, que é chicote.
E há uma palavra rara
Em milenar repouso
No teu peito duro.
Convém lembrá-la, Túlio.
Do amor é que te falo.

Acorda a tua palavra.
Usa o chicote
Antes que eu me faça escura.

* * *
Do livro Júbilo, memória, noviciado da paixão (1974)
* * *

Quais os DEZ piores problemas brasileiros?

Em solidariedade à corrente, publico minha lista. A instrução é elencar a hierarquia e redigir um parágrafo a cada problema, com diagnóstico e prescrição.

1) SAÚDE

Problema ecológico central, a saúde é o maior agente econômico. Da saúde dependem a produtividade e a riqueza. O Brasil é vítima da medicina da doença, quando a medicina deve dar as coordenadas ao viço. Não se trata de uma medicina da prevenção, mas medicina do viço. Contra a medicina da doença, pela medicina do viço, está no SUS a principal empresa do Estado. Tecnologia da informação (sensores, inteligência artificial, nanorrobótica, edição genética) e revolução agronômica podem dar ao povo a mais concreta soberania da terra, a saúde do corpo. Para isso, o Estado deve antecipar, ou jogar junto a, a entrada das grandes corporações de serviços da nova medicina. Se não o fizer, apenas os mesmos 5% terão acesso às novidades. O resto terá de esperar as obsolescências dirimirem as margens de lucro e chegar, como sempre, atrasado.

2) EDUCAÇÃO

Azedo, o termo desperta pesadelos em adeptos das liberalidades da formação. Ideias como pós-schooling, self-schooling, e mesmo no-schooling, confundem-se com decisões desimportantes como escovar os dentes com cúrcuma e o movimento no-poo, que abre mão dos shampoos. Mas escola não é paranoia. É cerne estratégico do desenvolvimento, e dela dependem mão-de-obra, pesquisa, policiamento e refinamento humano e cultural. Prescrição à Nova Escola fiz neste livro. Faltou comentar a Universidade e a educação continuada. A Universidade fica, mas estritamente federal e para 30% da população (quem quer e consegue). O restante pode ser técnico, artista, desenhista, faz-tudo, roceiro, diarista, atleta e feliz longe das teses e arengadas. Além disso, imagino uma instância ainda inexistente, também pública e também excelente, responsável pela educação continuada. A escola perpétua, disponível a qualquer trabalhador afim de reciclar seus saberes e aprender, usando a novidade digital, novas artes e conceitos.

3) INFRAESTRUTURA

As redes brasileiras despencam, e a cada furo damos novos e seguros passos de submissão ao neo-colonialismo. O problema, antes de governança errática, é déficit de engenheiros e cientistas. A solução é formar profissionais de ponta no médio prazo. No curto, importar saber junto às concessões. Que as empresas que cá venham subir pontes, portos, estradas, esgotos e teles prestem-se a abrir os códigos e capacitar nosso humilde contingente.

4) ORGANIZAÇÃO DO ESTADO

Legislativo e executivo não respondem à premência de um corpo estatal forte e ágil. O Estado é letárgico e custoso, e a culpa é menos de seus ocupantes do que do desenho em que se apoia. Uma nova forma (ler postagens anteriores como esta e esta) implica usar a) o suprassumo da possibilidade digital para discussão, deliberação e efetivação parlamentar, e b) a moderna governança corporativa para um poder executivo impessoal e levíssimo, condutor de um orçamento e de um cronograma, auditável e transparente como qualquer empresa viva. O lastro restaria no Senado, reconfigurado como Conselho Administrativo eleito anualmente, com poder de veto e impeachment, ocupado por senhores e senhoras nos quais vemos nossos mais virtuosos pais e mães.

5) ECOLOGIA

Erramos no destrato ignorante e não raro cruel da natureza que Deus nos deu. É nosso maior pecado, e a cada dia em que se repete (resíduos, extração irresponsável, maus tratos, extermínios), nos afastamos do congraçamento cósmico. Toda a força militar de um país na nova era (pós-Singapura) pode ser direcionada à salvaguarda do santuário planetária do território. Cada bioma é um órgão sagrado e feliz do organismo nacional, e dele somos membros em unidade e gratidão. A chave para o reequilíbrio econômico (preços, taxa de lucro e salários) está no enaltecimento ecológico.

6) ECONOMIA

O Estado letárgico e custoso emperra a circulação de bens e valores num ponto distante demais do ótimo, mas a crítica chega invariavelmente tarde e aponta os sintomas linguísticos antes das causas fulcrais. Se é coluna gêmea à Ecologia, a Economia muda de roupa. Joga fora os trapos fedorentos (“crescimento do PIB”) e aprende a formular novas e mais interessantes métricas. Hoje, toda a teoria e comentário são escravos de métricas pensadas antes da primeira guerra. É tempo de cogitar modelos mais desafiadores da mesura do bem-estar, da alegria, do conforto, da satisfação, da realização, da vitória e do consumo.

7) CIDADES

Desde a Constituição de 1988, criar cidades tornou-se gincana de currais e coronéis. A atitude das câmaras de vereança nos rincões é um vexame avassalador. Também nas grandes cidades vê-se distância e esfriamento do povo ante as políticas locais, e as eleições às prefeituras são dramaturgia esquizofrênica. Mas a política será cada vez mais local. Urge plantar a semente do engajamento cidadão. Na esteira do clarão do SUS com a saúde do corpo, o corpo doméstico, do bairro e da cidade merecerão cuidado tátil e maternal. É vivendo e usando o espaço público que entendo entende na prática o que é o bem comum. Por dela me servir, cuido. A cidade deixa de ser de ninguém para ser de todos.

8) ENERGIA

Combustíveis fósseis e carvão matam. Hidrelétricas ferem e traumatizam. Linhas quilométricas de transmissão são tão inteligentes quanto pedir que passem o sal de lá do outro lado da rua. Saleiro é coisa pequena, melhor ter em casa ou pegar no vizinho. A energia está no ar, no sol, no vento e em todos os corpos e coisas. Linha de transmissão é incompreensão biofísica. Pagar por energia é ruborizar o Imposto de Renda, pois é tão grátis quanto um chumaço de cabelo. Aí, o caso é pensar novo bem novo, investindo em laboratórios avançados. Antes, fazer a lição básica e urgente: trocar tudo por geração fotovoltaica e eólica da forma mais local possível.

9) PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

Onde está, e o que é, a vida? Água escorrendo num balde é vida? Estamos fora ou dentro do Universo? Somos que sorte de experimento? Como conversar com a inteligência cósmica? O que é o desejo? Como burilá-lo? Como transformar o desejo na mão que a luva do trabalho vestirá? Como faço para construir minha própria casa e ser feliz fazendo o que bem quero da vida? Onde está meu jet-pack propulsivo para um rolezinho em sobrevoo no vale do Paraíba? Ficamos de braços cruzados esperando alguém resolver?

10) AMÉRICA LATINA E LUSOFONIA

La Mancha e Bahia, Cervantes e Camões, Tamanduaré e Pastinha. Villa-Lobos é pura Nova Espanha, faz-se ótimo samba na Colômbia, Angola tem mestres poetas, e o portunhol é mais fácil e bonito do que muito paredão do BBB. Hoje numa livraria não há seção lusófona, não há ensaísmo da nova voz venezuelana. A política externa reserva-se a grandes tratados comerciais e eventos brocochôs. Quero ver minha filha de motocicleta cruzando o continente, ouvindo despreocupada um batuque moçambicano, parando para cozinhar frijoles, beber um mate, mordiscar uns milhos.

Cinco nomes brasileiros – atualização

Na foto, o volume à esquerda é o manuscrito original. Ao lado, a impressão da primeira revisão. Usei dezoito dias na releitura, consultando as fontes da pesquisa e apoio (livros de papel, eletrônicos, páginas na internet, sonhos lúcidos e podas na imaginação, voz alta, escuta atenta, conselhos e amenas memórias). O livro foi de 132.906 a 129.854 palavras. O volume entregue ao escritório de direitos autorais da Biblioteca Nacional tem 411 páginas.

Deixarei o segundo tratamento decantar perto de duas semanas, e então partirei para outra revisão. Se a primeira revisão quer dar ao texto a limpeza grossa, por coesão e fluidez contra redundâncias, lacunas involuntárias e confusão, a segunda vai além. Mais que legibilidade, quer do autor burilar o estilo.

Parágrafos com frases musicalmente firmes no ritmo e na melodia pedem perra sujeição aos dicionários, pelo amor de umas mais belas clarezas. É o caso, no romance, dizer não apenas, mas com graça sugestiva dizer, e sedução e aderência. A escola, sem novidades, são e serão os romances que lhe caiam bem.

Um parágrafo de Húmus, do português Raul Brandão, por exemplo de estilo elegante, capaz de atravessar os tempos:

Passa no mundo a estranha ventania: é a morte que custa a separar da vida. O rasto que fica atrás, a perspectiva que fica adiante foi cortada. A morte está aqui dum lado, está do outro a vida. Tinha raízes enormes: arrancaram-lhe de vez. Agora atrevo-me a tudo. O turbilhão colérico abala o mundo, ouro e negro, esplêndido e feroz. Desenraíza tudo. As almas acordam num sobressalto, e não há homem que se não ponha à escuta. Passa no mundo a doida ventania das nossas aspirações secretas, das nossas dúvidas, dos nossos desesperos. É uma voz – são muitas vozes. É um grito – são muitos gritos. – É o grito contido há milhares de anos, o grito dos mortos libertos.

Cinco nomes brasileiros é o título, estreia deste autor no romance. As ações são centradas nos anos de 1622, 1722, 1822, 1922 e 2022. Os protagonistas são respectivamente um menino quilombola, um guarani convertido, d. Pedro I, um médico paulista e um professor gamer. Logo mais notícias.