assumindo a forma do ensaio como uma atitude interna na ordem da percepção e, portanto, aceitando a diretiva adorniana de que ensaiar no pensamento é *estranhar* via o uso de repertórios irredutíveis a inércia do conceito, rompendo identidades que nos sufocam na excessiva abstração, dirijo-me agora para um relevo mais especificamente filosófico, mas mantendo no horizonte o ruído das grandes asas negras que assombram as fronteiras internas e externas (lovecraft) típicas da concepção gótica de mundo, cuja função na microdinâmica conceitual deste capítulo é impedir nosso sono (dogmático), e manter a vigília. afinal, do que temos medo?

uma resenha de resenha

Publicada na revista Quatro cinco um de maio, ‘O’Hara é o cara’, de Sérgio Alcides, merece nossa atenção por conseguir, na meia página em que resenha Frank O’Hara. Meu coração está no bolso, apresentar o autor em suas facetas histórica e artística, relacionar a obra com a sensibilidade do tempo e o autor com produtores contemporâneos em diálogo explícito ou implícito. A “figura” de O’Hara, capaz de ser percebida na “amostra pequena, mas primorosa” da coletânea poética editada pela Luna Parque, tem, para o resenhista, produção “ágil como um ciclista, terna como um bate-papo na hora do almoço, muito urbana e altiva (…) que vai a pé até os grandes temas, como o amor, o desejo e o luto.” Alcides tece com transparência um breve curso biográfico de O’Hara que dá a segura sensação de reconhecimento familiar, e exalta a jornada autônoma do poeta num modernismo que condenaria tanto o isolamento desinformado quanto a filiação obtusa, citando uma observação de John Ashbery, outro epítome da geração da Escola de Nova York dos anos 1950: “Para Ashbery, O’Hara era a síntese daquele momento, por ser ‘muito descolado para os quadrados e muito quadrado para os descolados.'” O poeta nascido em Baltimore em 1926 seria proprietário de referências não necessariamente canônicas, sem entretanto deixar de incorporar o lingo atual e espontâneo “da gíria e dos temas ‘baixos’ de uma cultura industrial”. Para o professor de Letras da UFMG e doutor em História pela USP, O’Hara é “whitmaniano e torrencial”, acena tanto a Rimbaud quanto a Mallarmé, ecoa Pollock na multiplicidade sem amarras do fazer num plano quase infinito, e pode ser lido como “parente próximo de Ana Cristina Cesar ou Francisco Alvim.” ‘O’Hara é o cara’ é uma resenha a um tempo leve e rigorosa, detalhada e acessível, que deixa patente no leitor a vontade de ler mais.

 

como será, o calor das costas
e a prática daquela cintura
os banhos na pedra escorregada e a lonjura
aonde chegam os olhos
como será a dobra, a guarda e a fronte adornada
da noite calada e confusa
o caldo de moqueca dela, como será
o canto quarto daquele sorriso, e quando
molhados os cabelos, como será
o sorriso
as cartas pedindo volta, amigo
como está indo a fábrica
de sonhos do seu dia; como será
quando rouca mas suave aquela voz
a cantar ainda assim linhas da lírica
brasileira ouvindo lee&eller&duncan&salmaso, como será
dormir no quente
daquele regaço
– –

um trecho de lima barreto

Toda a gente que lidou com qualquer espécie de administração, se não nos altos pastos, mas simplesmente em lugares convenientes de altas situações, sabe bem que pendor extraordinário para essa sabença de regulamentos têm os homens medíocres e as mulheres.

A primeira coisa que faz um amanuense de vocação é aprender todas as disposições do regulamento de sua secretaria, das demais repartições, não só os regulamentos, mas também os avisos explicativos e outros atos referentes.

A sua inteligência, sentindo-se por si mesma fraca, não quer ser de surpresa colhida no estudo ou na informação de um caso que, de antemão, não tenha para resolvê-lo três linhazinhas impressas, promulgadas, publicadas, adotadas pelas autoridades competentes.

Não se fia a sua inteligência nela mesma; quer o apoio de outras que, valendo tanto ou menos que a dele, têm entretanto o prestígio sobre-humano do Estado.

É dessa natureza intelectual que me parece ser o famoso general Lundendorff.

É ler-lhe um trecho ao acaso de suas Reminiscências, para se sentir logo o burocrata guerreiro, exato, meticuloso, sabendo bem todos os regulamentos, o de ligação, o de retaguarda, o de vanguarda, não esquecendo sequer nenhuma das abreviaturas consagradas e estabelecidas. Vejam só este pedacinho, como denuncia bem essa singular mentalidade de guerreiro moderno, metade amanuense, metade chefe de horda bárbara do século V da nossa era. Ei-lo:

A ordem de batalha era a seguinte: XI C.E., imediatamente ao nordeste de Cracóvia; Corpo de Reserva da Guarda, X C.E., XVII C.E., 35 D.R., entre Kaptowitz e Kareuzburg; 8º D. Ca., D. Lwd. Conde von Bredow, entre Kempem Kalisch.

O engraçado é que, com toda essa meticulosidade burocrática, procurando tudo prover e prever, empregando automóvel, aeroplano, telefone e telégrafo, as suas batalhas, se não começam por uma grande confusão, um entrevero, como dizem os nossos vizinhos, acabam nisso.

A tal famosa vitória dos lagos masurianos, no dizer dele mesmo, terminou numa baralhada com batalhões e magotes de alemães. Se houvesse mesmo ódio entre uns e outros, se a guerra não fosse uma coisa político-capitalista, a coisa tinha desandado em um tumulto de rua, em uma bagarre a que deviam atender, para restabelecer a ordem, simples agentes de polícia e guardas-civis armados de São Benedito.

Está aí em que dá a famosa preparação para a guerra que os doutores militares tanto preconizam e nós estamos fazendo com os indispensáveis discursos e chás dançantes.

[…]

Em todo o caso, o exemplo de Joffre é elucidativo de que, tanto cá como lá, o que imperou foi o acaso, a serviço da mediocridade; a vitória coube às forças obscuras da sociedade e da natureza que, desencadeadas, nenhum homem soube captar em seu próprio proveito ou dos homens de sua e das futuras gerações. Todos tateiam nas trevas e apalpam os regulamentos com medo de se perderem neles.

Houve um único que se lançou ousadamente pelo “Mar Tenebroso” em fora; e este foi Lênine. É este o grande homem do tempo, que preside, com toda a audácia, uma grande transformação social da época, enquanto Joffre, o êmulo de Alexandre, César e Napoleão, vai presidir partidas de futebol…

––

Excerto de ‘Memórias da Guerra’, de 17/4/1920, reunida no volume Lima Barreto – A crônica militante, Expressão Popular, 2016

General Ludendorff e Papa Joffre

dois poemas

QUEM

Quem um dia dançou os pés de outro?
Todos os que dançam, todos
Apenas dançam os próprios pés.
Quem pensa na imortalidade do outro
E durante o próprio sonho
Sonha com o sonho do outro?
Quem, no nascimento do menino humilde,
Pede sua coroação pelos reis?
Quem manda violetas ao pobre encarcerado?
Quem se sente poeta pelo que o não é?

– Murilo Mendes (1901–1975). Poema do livro ‘Parábola’, reunido em seleção da Global editora, 1983

––

o homem perfeito
usa o seu espírito
como um espelho
diziam os poetas do Tao
eu próprio em certos dias
promovo o vazio dentro de mim
e quando o vento e a chuva
me impedem de sair
procuro o silêncio
e tenho por testemunhas
as límpidas fontes da alma
e seixos brancos
que se podem ver
mesmo quando
cobertos de água

Manuel Afonso Costa. Poema do livro Memórias da casa da China e outras visitas, Assírio&Alvim, 2017

benjamin se preocupa sempre com o momento utópico encontrado no negativo – nas passagens encardidas e barulhentas, nas extravagâncias de grandville, na permuta de aforismos entre a moda e a morte, no papagaio barato de feuilletoniste, em baudelaire exclamando: “hélas! tout est abîme”. ninguém negaria que tudo isso faz parte do enredo. todo louvor a benjamin por trazer à luz esses fatos. mas, curiosamente, talvez tenhamos chegado a um momento da história em que é preciso reafirmar o outro lado da dialética do século XIX: não só os desejos e as potencialidades urdidos, contra as probabilidades, pelo negativo, mas antes de tudo aquilo que as formas de lucidez e positividade mais altivas do século (suas realizações efetivas) revelaram do terror – o verdadeiro abîme – entretecido ao sonho de liberdade da burguesia

dois poemas

as bases do
íntimo e
expressivo as correntes
do similar sem validade
o discurso
produz e
nomeia teste de
desempenho da
identidade este
tempo não
é tempo de sutilezas
de um mundo simpático
1967
nancy
sinatra
lee
hazelwood
equivaliam
“flowers are the things
we know
secrets are the things
we grow”
2003
kate
moss
bobby
gillespie
distoam
“flowers are the things
we grow
secrets are the things
we know”
não se perde
valor reajusta-se
na inflação da
querença as
versões do mesmo
entre o contíguo e
o similar as
ansiedades do comum
do próprio e do nome

Ricardo Domeneck (1977), poema do livro a cadela sem Logos, 7Letras, 2007

––

Se não sofri ainda mais
nem maltratei
cachorros
se sou prudente com meus olhos
e toco com o palato
como se tocasse piano
a membrana feminina
se busco prazer e não prosódia
é porque você me ensinou
tua risada. (Não foi só a risada
mas um dar as costas
ao gordo triunfo dos ossos).

Nuno Ramos (1960), poema do livro Sermões, Iluminuras, 2015

nunca fui capaz de memorizar os nomes de pés e versos, ou de guardar o devido respeito às regras consagradas da escansão. na escola, gostava muito de recitar homero ou virgílio à minha própria maneira. talvez tivesse alguma suspeita instintiva de que ninguém sabia de fato como o grego deveria ser pronunciado, ou o que, entretecendo os ritmos gregos e latinos, pudesse o ouvido romano apreciar em virgílio; talvez fosse meu ócio que instintivamente me protegesse

dois sambas de escola de silas de oliveira

Ele esteve na fundação da Império Serrano, escola advinda da ocupação negra, após a Abolição, da Serra da Misericórdia, região do Rio ao norte da Tijuca e a oeste de Guanabara. Batizada antes Prazer da Serrinha, a escola ali criada na primeira metade do século 20 era frequentada por um Silas ainda criança, às escondidas do pai evangélico. Por ali ele aprendeu as artes dos mais velhos e se divertiu nas conversas e nas rodas de jongo. Fez-se mestre do gênero samba de escola e venceu 14 concursos com peças de sua autoria. Faleceu em 1972, data que, para muitos, aponta o início da decadência do gênero.

A seguir, ‘Aquarela brasileira’, que a Império desfilou em 1964, e ‘Heróis da liberdade’, de 1969, em duas gravações: uma a evocar a catarse plena do rancho, outra que exalta o lirismo nem tão doce mas coeso da obra, difícil de achar nos dias de hoje.

dezasete

Hoje em nossa página EPUBS (sigla convencionada para indicar ‘publicação eletrônica’), um novidade: o livro Dezasete, cujos 50 exemplares impressos em 2013 logo evaporaram. A publicação é um pequeno exercício de rememoração levado a cabo em fevereiro de 2013 por Guilherme Coube. A compõem 10 sextetos em redondilha maior (donde o título, dez-a-sete) a tratar de algumas das mais fortes lembranças da infância do autor em Bauru, onde viveu, entre o campo e a cidade, de 1987 a 1997. Na sequência dos poemas, lê-se uma sua inicial tarefa ensaística, em que o autor compara duas leituras da novela Campo Geral, de João Guimarães Rosa, a primeira naquela infância, a segunda no fazer do exercício, 20 anos depois.

>> Em ePub ou PDF

dias melhores

Vamos falar de outras coisas. Contar depois que abre e abre espaço para dar em incrementos e ventila nossos campos. Atar quando roer é ato-semba se se olha para dentro e dentro fica, por causas, formas, casa&construção.

Em junho, o blog da Touro apresenta Alexandre Barbosa de Souza (São Paulo, 1972) como co-editor da categoria dias melhores. Tradutor no Brasil de Moby Dick, Alice através do espelho, Só garotos, entre outros, e autor de Livro de poemas (Giordano, 1992), Viagem a Cuba (Hedra, 1999), XXX (Dolle Hond, Amsterdã, 2003), Azul escuro (Hedra, 2004), Livro geral (Cia. das Letras, 2013), Vinagre (Laranja original, 2016) e do infantojuvenil Autobiografia de um super-herói (Hedra, 2003), foi editor literário na Editora 34, Cosac Naify e Biblioteca Azul. Nas próximas quatro semanas, Alê tratará por aqui principalmente do assunto ‘livro’. Valendo!

dois poemas

em 2008
para participar de uma antologia
em homenagem a ana cristina cesar
fiz um poema chamado
“a garota de belfast
ordena a teus pés
alfabeticamente”
o poema partiu de uma brincadeira de leitura
peguei todos os versos do livro
a teus pés
e coloquei em ordem alfabética
foi uma maneira de ler o livro de ana c. de outra forma
de deslocar o contexto de onde tinham saído os versos
para poder perceber outras relações             a partir
dos próprios versos
foi uma maneira de conhecer ana c. outra vez
parece que a gente está sempre buscando conhecer de novo
refazer o caminho até as coisas
percebi por exemplo que a palavra                             “atravessar”
se repete muitas vezes no início dos versos
ou então que o “agora” é o marcador temporal
mais frequente ocupando o início dos versos
o procedimento deixa a gente curioso
para ler por exemplo
quais são as linhas que começam com o pronome “eu”
nos poemas de ana c.
ou pelo “você”

a teus pés em ordem alfabética foi apenas um jogo de leitura
do qual parti para fazer o poema
há algumas semanas
para o lançamento da obra poética de ana c.
preparei um vídeo a partir desse poema
queria descrever concretamente o processo de feitura
de algum modo essa prática é como a da escrita
escolhi um filme da cineasta belga chantal akerman
je, tu, il, elle
e recortei quatro cenas
o filme parecia um banco de dados
queria pegar uma imagem
que dialogasse com o poema
uma imagem fora do contexto
mas trazendo dele rastros           restos
uma imagem que pudesse estabelecer relações com o texto
escrever também pode ser assim
às vezes basta um verso uma fala solta
que possa se encaixar e transformar um poema
a fala não traz nada do seu contexto inicial?
ele pergunta
seleciono as cenas do filme para importar no adobe pro
depois importo o áudio com a leitura do poema
a partir daí
passo a recortar as cenas
montar              repetir             avançar
ouvir o ritmo do texto a voz da imagem
em movimento
então insiro texto sobre isso tudo
para dialogar com o que está acontecendo
de algum modo é como escrever
e o resultado imprevisto
o vídeo está aqui

Marília Garcia (1979), poema do livro um teste de resistores, 7Letras, 2014

IANSÃ

 
Sopro

leve.

 
Que se atrevendo

atravesse:

 
corpo. muro. corpo.

 
Afago relâmpago

de vento

fêmea,

que conduza o arrepio

através da pele.

E,

por toda ela,

 
reverbere.

 
(Um
 
blefe
 
de um frio,
 
que se respira,
 
e exausta.)

 
Invisível, a tempestade

se revela,

na maquiagem que usa
:
a chuva.

Borra-se,

cai.

Eduardo Lacerda (1982), poema do livro Outro dia de folia, Patuá, 2012

da rise and fall of da tower

O primeiro livro do Bruno Galan, Da Rise and Fall of da Tower (2011), narra as psico-elipses de eneagá, um interiorano salvo pelo roque na noite paulistana. Pequena pérola da escrita urbana em repente poético apurado na cultura pop e na filosofia comum que viria, nas obras posteriores, Taco da Lôca (2016) e O meme é a mensagem (2017), reforçada por verve crítica da política, a obra vem envelhecendo bastante bem.

Trata-se de uma prosa de formação com astutos tratamentos dispensados à sequência cronológica, tomada por idas e vindas em ritmo de incansáveis recomeços, e ao cenário, que descreve jornadas e teletransportes entre as mentalizações e virtualizações pessoais do autor-personagem, a Augusta, a Vila Madá, a praça ‘rúzivel’, e a locação principal, a antiga Torre do Dr. Zero. Os tipos da noite são descritos na linguagem inacessível aos escritores de gabinete, que escrevem sem viver, e impensável aos passantes distraídos, que vivem sem se ver. Ao final, como um brinde, a história é recontada ainda outra vez, mas como o roteiro dum filme de final feliz.

As músicas que fazem parte da formação de eneagá foram reunidas pelo autor nesta playlist, para você ler ouvindo:

Para ler o livro em PDF, eiqui: DARISE 2017

mentolado&remelento

Querido roteiro,

nossa vida é um tecido, comungado com a idade da Terra. Nossa escolha não tem pressa, pois é carro da vontade justa. Não é ilusão que a solicitude está entre o grátis e o barato, mas também não é ilusão que o ‘caro’ indica o bem quisto, o graças a nós ficante. A revolta pode ser justa e alegre, como pode ser um baque de derrota a ver navios de expulsão, exclusão, extinção. Entre a revolução e a reforma, conspira e aflige a Alma Mãe (a casa grande que nos guarda é ela, mas nem viagens para Marte são capazes de ser o que não são) o típico trepidar do fraco.

Kkkk

Bom dia.

Por questões técnicas, essa foto preparada para o Facebook transferi para o sítio online da editora. Não que o Facebook seja incompetente tecnicamente, pelo contrário, são bons em muita coisa, mas como player de cores vetorizadas não prestam. Mesmo a função ‘álbum’, onde seria possível aceitar mais pixels por polegada, não interessa tanto ao repórter cidadão a colher muitas vezes pautas no calor do momento, sem a preocupação da “fruição familiar”: nem todo conteúdo se enquadra como tal. De resto, a compactação em PNG, propalada como corretora, não é. Ao menos não a ponto de quem cuida da própria por amor de persuadir e não marcar ponto sem dar o endereço pras crianças, concordar. O wordpress também comprime. Mas muito menos que lá. Nem seria para tanto, a foto resultou medíocre. Mas como acabei memeficando (com saturação ideal-contínua), parte da graça iria embora porque a aplicação emporcalha. Em nota, a editor da editora pronunciou na rede de microblogs Twitter que o Facebook, “se não pode pagar ninguém que forneça conteúdo”, pode achar modos de gerir a angústia de haver tanto upload concomitante à necessidade da editorialização ou cura humano-algorítmica. E deu uma ideia: “que publicadores de sucesso ganhem privilégios como o de, por exemplo, estar isento da compactação a que se sujeita o usuário médio”. Não houve retorno da Incorporação.