dois poemas: hilda hilst

O vocábulo se desprende
Em longas espirais de aço
Entre nós dois.
Ajustemos a mordaça
Porque no tempo presente
Além da carícia, é a farsa
Aquela que se insinua.
Faço parte da paisagem.
E há muito para se ver
Aquém e além da colina.
Há pouco para dizer
Quando a alma que é menina
Vê de um lado o que imagina,
Do outro o que todos veem:

O sol, a verdura fina
Algumas reses paradas
No molhado da campina.
Ventura a minha, a de ser
Poeta e podendo dizer
Calar o que mais me afeta.
Ventura ter o meu mundo
E resguardá-lo das cinzas
Das invasões e dos gestos.
Ah, poderiam ter sido
Encantados e secretos
Aqueles brandos colóquios
Que outrora se pareciam
Às doces falas do afeto.

* * *

A Aldous Huxley

Agora, meus senhores
É preciso dormir.
Embora muitos não saibam
É cada vez mais difícil
Sorrir.

Agora, meus senhores
É preciso dormir.
Minhas senhoras e mães:
É preciso esquecer
de parir.

Temos um mundo novo:
Traço, aço, espaço e cor.
E estruturas infantis
Garra e pupila
Para o amor.

Agora, meus senhores
É preciso dormir.
E que o sonho não tarde.
Azul e rosa e gaze
Repetindo comigo:

Azul
E rosa
E gaze.

* * *
ambos do livro Roteiro do silêncio (1959)
* * *

dois poemas: edimilson de almeida pereira

DA CERA

a proibição deu-se a ver escrita. antes era tudo conversa de inocentes. agora a escrita fala no corpo que ruiu sob os estrados. um livro se escreve agreste e quem o fala regressa do garimpo apenas com a garimpagem. a capanga em que recolheu o melhor do dia, rompeu-se; sobre ela o infortúnio atira seus mascates. a mina e a língua cultivam uma cabeça para habitar os corpos que maduram nas árvores.

* * *

JOÃO. DE DEUS

João de deus não vive
do seu.
Vive do alheio.
Para dar, em graça,

um assobio de barro,
um pião.
Seu ouro,
sem arca, é para os

pobres.
Ele diferente deles,
e dos ricos,
arca com o mistério.

Labor sem causa
de quem,
não tendo casa, vai
à caça

pelos outros:
um boi rosado, uma
linha
entre bordados.

João. De deus
se nutre
e sua forma não cessa.
Junta-se

à farsa da vida,
aos farsantes de cepa.
João, menos
que nome,

uma letra.
Faz-se em graça. Para
si retira
o último coringa.

* * *
do livro qvasi (2017)
* * *

dois poemas: hilda hilst

XIX

As mães não querem mais filhos poetas.

A esterilidade dos poemas.
A vida velha que vivemos.
Os homens que nos esperam sem versos.
O amor que não chega.
As horas que não dormimos.
A ilusão que não temos.

As mães não querem mais filhos poetas.

Deram o grito
desesperado
das mães do mundo.

* * *
do livro Presságio (1950)
* * *

XV

a Carlos Drummond de Andrade

A rosa do amor
perdi-a nas águas.

Manchei meus dedos de luta
naquela haste de espinho.
E no entanto a perdi.
Os tristes me perguntaram
se ela foi vida p’ra mim.
Os doidos nada disseram
pois sabiam que até hoje
os homens
dela jamais se apossaram.

Ficou um resto de queixa
na minha boca oprimida.
Ficou gemido de morte
na mão que a deixou cair.

A rosa do amor
perdi-a nas águas.
Depois me perdi
no coração de amigos.

* * *
do livro Balada de Alzira (1951)
* * *

dois poemas: caldas & maimona

não conseguimos nem tentamos

• não conseguimos nem tentamos •
• matar o senhor nem seus filhos •
• nem sua mulher nem seus cães •

• suas terras continuam intactas •
• todas molhadas por nosso suor •
• e continuamos dançando o fado •

• não conseguimos tomar as armas •
• nem as fabricas nem as maquinas •
• o salario engolimos assim mesmo •

• seu estado continua a ser perverso •
• nos tritura e zomba e suga mais •
• da nossa carne e ossos vencidos •

• não conseguimos mudar os rios •
• agora é preciso mudar os mares •
• reverter os ventos e a alegria •

• nossa vida continua sem a morte •
• do senhor entranhada em nos •
• enquanto isso não seremos nada •

* * *
Alberto Lins Caldas. Poema do livro de corpo presente. Rio de Janeiro, Ibis Libris, 2013
* * *

Festa de monarquia

não seria útil olhar de novo para o sol?
a mão que ofereci ao relevo do tempo
canta com as monarquias que dançam.
da música as sílabas fazem
imenso dezembro não anunciado.
na noite de ontem no centro
da lagoa entre dois barcos
estava um verde incêndio
anunciando a grande avenida
onde as palmeiras procuravam
saber se não seria útil
a pedra olhar ainda para o sol.
era a festa que se transformava
em festa.

* * *
João Maimona. Poema do livro Festa de Monarquia. Luanda, Kilombelombe, 2001
* * *

dois poemas: wei & chamie

RESPOSTA A MEU IRMÃO ZHANG WU

Minha humilde casa
   dá para as montanhas do sul.
Faz tempo que ninguém me visita,
   por isso a porta sempre fechada.
Sem preocupações ao longo do dia,
   aprecio meu longo repouso.
Pego minha vara de pescar
   e tranquilamente esvazio
   o odre de vinho.
Se quiser me visitar,
   venha, será um prazer.

* * *
Wang Wei (701–761), praticante do budismo chan. Poema reunido no volume Poemas clássicos chineses, com tradução e organização de Sérgio Capparelli e Sun Yuqi, L&PM, 2012
* * *

FOGO NO CÉU DA BOCA

Não faço o papel
de quem bate à porta
e espera a sua hora.
Esta é a palavra do profeta:
não troco os papéis
nem os rumos de vossa rota.
Vou por mim
sem a graxa da demora.
Caminho a pé no labirinto
que me ampara
e nem me escoro
na escora da memória.
Não forço as minhas rótulas
nesse passo.
Lentas, desfilo as cenas
do vosso agouro
em minha câmara.
Não faço o que disfarço.
Não corto os fios do telégrafo,
nem rompo os nervos
de nossa têmpera.
O que anuncio
no lacre desta mensagem
são os chifres do dilema
que faz de mim
outro profeta
entre o podre de vossa tâmara
e o mel de nossa abelha.
O que trago à tua porta,
nossa e vossa,
não são os frutos desta época.
São os ácidos
de meus açúcares
na palavra de teu déspota.

* * *
Mário Chamie (1933–2011), praticante da poesia-práxis. Poema do livro A Quinta Parede, Nova Fronteira, 1986
* * *

dois poemas: meireles & baq

APRESENTAÇÃO DO BOM PRESSÁGIO [trecho]

Olhando bem para o fundo da memória, vimos que éramos prisioneiros, e vimos que éramos também a prisão. E desejamos liberdade, como um último sorvo de ar para um resto de vida.

Foi quando reconhecemos no fundo de nós mesmos, depois de todos os desencantos e além de todas as misérias, aquele vulto gêmeo que ninguém pode ver, e que ninguém compreendeu nem amou. O que existiu por si, magoadamente. Que teve sempre glória: que foi arrependimento, que foi perdão, que foi um profundo suspiro para domínios mais puros e que, cercado de portas fechados, teve a forma com que as angústias limitam o tamanho das ansiedades.

* * *
Cecília Meireles (1901–1964). Poema em prosa do livro Episódio Humano, Editora Batel / Desiderata, 2007
* * *

Alguém sentado no escuro
sentiu a presença de Alguém.
Se um pintasse o outro,
os auto-retratos unidos
dariam meu rosto também.

* * *
bobby baq. Poema do livro Nébula, Riacho, 2016
* * *

dois poemas: penteado & naud

SOS

Deixei cair meu coração nas pedras
que chegam a gemer e a chorar o
cambalacho imposto ao inocente rio
por onde muitos hão passado,
por onde tantos vão passar!

Avezinhas tristes parecem murmurar
“Coitado! , pobre rio esquecido…” E
o instinto de sobrevivência as leva,
leva-as a brisa a outros ninhos.

Os peixes, ah! … Não têm saída.
Encontra-os a aflição e a morte e,
à tona bóiam suas feridas. Mas,

eis que alguém desperto vem
aos seres desta água poluída,
Ó seres desta água poluída!
Renovando a esperança,

SOS gritando aos ventos e,
entoando aos rios
a CANÇÃO DA VIDA!

* * *
– Marília Azevedo de Barros Penteado. Poema do livro Reconquista de um Oásis, João Scortecci Editora, 1992
* * *

CONTEMPLAÇÃO DA CIDADE

Por
um momento sinto nas tuas letras
a palavra indispensável. Entro
na sua pura significação, elastifico-me,
e te possuo tôda. Não toca a mim
surpreender-te gênero. Toca tanger tua
humanidade, cidade
onde tantos dramas se comprimem na solidão dos edifícios.
Sinto, um momento, a realidade das tuas pedras, de tua gente,
das tuas águas,
a confluência dos conceitos de Deus, de lei, de vida,
boiando em tua essência.
Mais um dia, mais outro, e outro,
não serás já uma cidade, um momento, a memória
de meu estreitamento a ti.
Serás uma lembrança a vogar o sem tempo,
um susto, no que, sem saber, te encontre transposta,
palavra integral no reino íntegro.
Por enquanto — foge o momento de tua captação cabal —
és fragmentada em mim, no dono do bar, no automóvel, no esmoleiro
parado na esquina. Por enquanto és um pouco das vozes,
das palavras guardadas para ocasião propícia, dos dejetos de hotel
farejados pelo cão ou pelo homem, no lixo.
E mais coisas ainda: a igreja aberta;
a noite morta; o pássaro e o gato;
os canos de esgôto,
surdos rios das casas no ventre das ruas.
Mas és,
para vires um dia sinal, despojada
de tudo o que não foi o momento essencial
em que te surpreendi, na palavra.

* * *
– José Santiago Naud. Poema do livro A geometria das águas, Editora Globo, 1963
* * *

dois poemas: pascoaes & hilst

AS PEGADAS (XVIII)

O caminho é uma pegada mais extensa, branquejando através dos panoramas. É o leito do rio por onde correm as ondas vivas do Tempo – as horas que têm figura: o peregrino de Jerusalém, o almocreve de Trás-os-Montes, o António que vai para o Brasil, o doido de Frariz, esse transviado do mundo que não sabe para onde vai, a Gravuna roendo pedras e imprimindo a sua pegada nos lajedos, o faminto, desde Camões àquele velho dos alforges, a Ana viúva, toda de preto, com dois filhinhos ao colo; o senhor padre-cura, nevrótico, transtornado, que passa na rua, como quem vai matar alguém ou deitar-se duma ponte abaixo… o criminoso que vai para o Desterro, o defunto para o cemitério: – sombra caída e levada por quatro sombras de pé…
Vede as horas andantes que deixam a sua pegada na poeira e a sua imagem no ar…

* * *
– Teixeira de Pascoaes (1877–1952). Poema de O Bailado, Assírio&Alvim, 1987
* * *

MEMÓRIA (8)

Ser terra
E cantar livremente
O que é finitude
E o que perdura.

Unir numa só fonte
O que souber ser vale
Sendo altura.

* * *
– Hilda Hilst (1930–2004). Poema de A trajetória poética do ser (I), reunido no volume Da poesia, Companhia das Letras, 2017
* * *

dois poemas: bopp & correia

COBRA NORATO – XVI

– Mar fica longe, compadre?
– Fica
São dez léguas de mato e mais dez léguas
– Então vamos

Está começando a escurecer
A tarde esticou a asa vermelha

Toiceiras de capim membeca
escrevem sombras longas nas areias usadas

Uma inhambu se assusta

Ecoa no fundo sem resposta
o grito cansado de um pixi-pixi

Encolhe-se a luz do dia
devagarzinho

– Vou ficar com os olhos entupidos de escuro
– Adeus marreca toicinho!
– Adeus garça morena da lagoa!

Apagam-se as cores Horizontes se afundam
num naufrágio lento

A noite encalhou com um carregamento de estrelas

* * *
– Raul Bopp (1898–1984). Poema reunido em Cobra Norato e outros poemas, Civilização Brasileira, 1976
* * *

O SACRIFÍCIO – VII

Medeia a Revolução fez outro aborto:
muda de nome o asco agora é vasco.
Fandanga a tropa é trampa é um desporto
de Moscovo que abriu um novo tasco.

Aqui até Otelo é laparoto,
a cantar de carrasco é um fiasco.
Do povo unido num gris de rato morto
Judas é presidente. É um engasgo.

O gáudio é de gadanho e de guedelha;
come-se merda só porque é vermelha.
O crime é curial se for esquerdo.

Está o tempo sentado na sentina.
Ó musa és de trapos de cozinha!
Peço-te amor. Dás-me um poema azedo.

* * *
– Natália Correia (1923–1993). Poema do livro Epístola aos lamitas, Publicações Dom Quixote, 1976
* * *

dois poemas: kehl & brandão

SAGITÁRIO

e esses homens aflitos
que habitam meu corpo
delgados e jovens como
cavalos
               bem sei o que querem de mim

esses rapazes roucos
povoam meus sonhos
que sonho acordada

à noite são anjos de asas caídas
me custam o sono
e as unhas roídas.

Maria Rita Kehl (1951). Poema do livro o amor é uma droga pesada, Vertente editora, 1983

––

FOME GORDA

Emas correndo, emas voando
Com o sol nas costas, com o sol nas patas.
O boi velho adora as moscas no atoleiro,
As baratas são tições no capinzal,

Os besouros têm sapatos pesados e sufocam.
O boi engole fogo pelas ventas,
O veado e a jaguatirica se equilibram no ar,
A anta em prece se ajoelha.

O mato queima, os bichos naufragam no rio gordo,
O rio gordo solta a cadela para cruzar com os bichos.
No meu tronco chamuscado as últimas fagulhas,

Uma brasa queima nos meus olhos e na minha língua.
O rio gordo, a cadela do rio gordo, os bichos,
A fome gorda dos bichos no crepúsculo do rio gordo.

José Carlos Mendes Brandão (1947). Poema do livro O sangue da terra – poemas telúricos, Tiprogresso Fortaleza, 2010

dois poemas: meireles & carlito

CRIANÇA

Cabecinha boa de menino triste,
de menino triste que sofre sozinho,
que sozinho sofre – e resiste.

Cabecinha boa de menino ausente,
que de sofrer tanto se fez pensativo,
e não sabe mais o que sente…

Cabecinha boa de menino mudo
que não teve nada, que não pediu nada,
pelo medo de perder tudo.

Cabecinha boa de menino santo
que do alto se inclina sobre a água do mundo
para mirar seu desencanto.

Para ver passar numa onda lenta e fria
a estrela perdida da felicidade
que soube que não possuiria.

– Cecília Meireles. Poema do livro ‘Viagem’ (1939), reunido no volume Poesia Completa, Editora Nova Fronteira, 2001

––

DRUMMOND

Sabe que nada mais agora
poderá mover sua poesia.

Cruza a avenida Rio Branco, o Aterro,
a enseada, o túnel do Pasmado

(do mundo caduco, é a parte
que mais lhe agrada).

Nem o vestido de flores da
filha do tipógrafo, nem os

pássaros de fogo que dele
partiam de vez em quando

(tudo perdido num antigo
crepúsculo itabirano).

Nem aquela vez,
quando pensou ouvir

o rumor do mundo percutindo
as paredes do Outeiro

(havia um melro no alto
do muro de cantaria negra).

Cerra as mãos como quem porta
um segredo, e ainda que ninguém

perceba, sente que sua revolução
está ocorrendo neste exato instante.

Se apenas uma dessas indecifráveis
palmeiras pousasse o rosto no peito

do aviador cansado, ouviria
as bombas da ilusão de

autossuficiência e as bombas
da ilusão de unidade absoluta

com a natureza reduzindo a
pó a ilha mínima do eu.

Mas ele mesmo só pode ouvir os
ônibus lotados que passam rumo à

periferia, soltando no ar
grossos rolos de fumaça negra,

ou as mãos de quem costura
vestidos de flores baratos.

Revoluções e filhos são mais
incontroláveis do que poéticos:

eis a quinta-essência do
aprendizado? Maria Julieta está morta.

Cruza o túnel do Pasmado, e mais outro.
Tudo somado, talvez esteja recitando:

“A Avenida Atlântica situa essas
coisas numa palidez de galáxias”.

Carlito Azevedo. Poema do livro Monodrama, 7Letras, 2009

dois poemas: drummond & saramago

CARTA

Há muito tempo, sim, que não te escrevo.
Ficaram velhas todas as notícias.
Eu mesmo envelheci: Olha, em relevo,
estes sinais em mim, não de carícias

(tão leves) que fazias no meu rosto:
são golpes, são espinhos, são lembranças
da vida a teu menino, que ao sol-posto
perde a sabedoria das crianças.

A falta que me fazes não é tanto
à hora de dormir, quando dizias
“Deus te abençoe”, e a noite abria em sonho.

É quando, ao despertar, revejo a um canto
a noite acumulada de meus dias,
e sinto que estou vivo, e que não sonho.

– Carlos Drummond de Andrade. Poema do livro ‘Lição das coisas’ (1962), reunido no volume Poesia Completa, Nova Aguilar, 2001

––

CORPO

Talvez atrás dos olhos, quando abertos,
Uma cinzenta luz de madrugada
Ou vago sol oculto entre névoa.

O resto é escuridão, onde se esconde,
Entre colunas de ossos e arcadas,
Como animais viscosos, palpitando,
A soturna cegueira das entranhas.

O resto se compõe de fundas grutas,
De abismos insondáveis que demonstram,
Ao compasso do sangue e da memória,
As medidas do tempo irrecusado.

Tudo tão pouco e tanto quando, lenta,
Na penumbra dos olhos se desenha
A lembrança dum corpo retirado.

– José Saramago. Poema reunido no volume Cinco séculos de Sonetos Portugueses, Cassa da Palavra, 2013

dois poemas: poças falcão & ascher

o corpo, pobre corpo
esta choupana

e uma luz lá dentro
que o ama
que o ama

– Carlos Poças Falcão (1951). Poema do ‘Pequeno livro azul’, reunido no volume Arte Nenhuma (Poesia – 1987-2012), Opera Omnia, 2012

––

Proibida de fazer amor outrora,
a mulher, livre (graças à vitória
feminista) daquele pesadelo,
pode hoje livremente não fazê-lo.

– Nelson Ascher (1958). Poema do livro Parte Alguma, Companhia das Letras, 2005

dois poemas

FÁBULA

Um pensamento pensado
até a total exaustão
termina por germinar
no mesmo lugar exato
sua exata negação.

Enquanto isso, uma ideia
trauteada numa flauta
faz uma cidade erguer-se –
é claro, sem alicerces,
mas ninguém dá pela falta.

Paulo Henriques Britto (1951). Poema do livro Formas do nada, Companhia das Letras, 2012

RESSACA

Também os barcos bêbados
sentem a ressaca.
Estrelas afogadas
acesas como sóis
espelham
inexatas
os olhos
dos faróis.
Entre sereias mudas
amores sem rota
navegam
sua carga
de derrota.

Ana Martins Marques (1977). Poema publicado na revista Escamandro #02, Editora Patuá, 2016

dois poemas

ODOR DE FILHO BRANCO

estamos diante do espelho enorme que há na sala
(aguardou para saber se a equipe ganharia),
vejo com nitidez seu perfil, não vejo o meu

sua demora me confunde, afronta-me,
a tela mostra a taça do penta sendo carregada,
o capitão não esconde o que é nossa infantilidade

seu corpo de mulher branca se interpõe
entre meus olhos e o televisor, a camiseta laranja,
estampa porn star, subtrai o verde do gramado

sua mão estica a passagem para rotterdam,
deixa tudo à mostra (não ousa me chamar de pai),
seus olhos têm um azul que chega a me repugnar

Paulo Scott (1966). Poema do livro Senhor Escuridão, Bertrand Brasil, 2006

––

PARA A MINHA POBRE FRAGILIDADE

Para a minha pobre fragilidade
Olhas, sem dissipar palavras.
Tu és pedra, mas eu canto,
És estátua, mas eu voo levanto.

Eu sei que o maio mais terno
Não é nada, aos olhos do Eterno.
Mas eu sou pássaro – a mal não leve,
Se sobre mim pousou uma lei mais leve.

– Marina Tsvetáieva (1892-1941). Poema traduzido por Aurora F. Bernardini na seleção Indícios Flutuantes, Martins Fontes, 2006

dois poemas

QUEM

Quem um dia dançou os pés de outro?
Todos os que dançam, todos
Apenas dançam os próprios pés.
Quem pensa na imortalidade do outro
E durante o próprio sonho
Sonha com o sonho do outro?
Quem, no nascimento do menino humilde,
Pede sua coroação pelos reis?
Quem manda violetas ao pobre encarcerado?
Quem se sente poeta pelo que o não é?

– Murilo Mendes (1901–1975). Poema do livro ‘Parábola’, reunido em seleção da Global editora, 1983

––

o homem perfeito
usa o seu espírito
como um espelho
diziam os poetas do Tao
eu próprio em certos dias
promovo o vazio dentro de mim
e quando o vento e a chuva
me impedem de sair
procuro o silêncio
e tenho por testemunhas
as límpidas fontes da alma
e seixos brancos
que se podem ver
mesmo quando
cobertos de água

Manuel Afonso Costa. Poema do livro Memórias da casa da China e outras visitas, Assírio&Alvim, 2017

dois poemas

as bases do
íntimo e
expressivo as correntes
do similar sem validade
o discurso
produz e
nomeia teste de
desempenho da
identidade este
tempo não
é tempo de sutilezas
de um mundo simpático
1967
nancy
sinatra
lee
hazelwood
equivaliam
“flowers are the things
we know
secrets are the things
we grow”
2003
kate
moss
bobby
gillespie
distoam
“flowers are the things
we grow
secrets are the things
we know”
não se perde
valor reajusta-se
na inflação da
querença as
versões do mesmo
entre o contíguo e
o similar as
ansiedades do comum
do próprio e do nome

Ricardo Domeneck (1977), poema do livro a cadela sem Logos, 7Letras, 2007

––

Se não sofri ainda mais
nem maltratei
cachorros
se sou prudente com meus olhos
e toco com o palato
como se tocasse piano
a membrana feminina
se busco prazer e não prosódia
é porque você me ensinou
tua risada. (Não foi só a risada
mas um dar as costas
ao gordo triunfo dos ossos).

Nuno Ramos (1960), poema do livro Sermões, Iluminuras, 2015

dois poemas

em 2008
para participar de uma antologia
em homenagem a ana cristina cesar
fiz um poema chamado
“a garota de belfast
ordena a teus pés
alfabeticamente”
o poema partiu de uma brincadeira de leitura
peguei todos os versos do livro
a teus pés
e coloquei em ordem alfabética
foi uma maneira de ler o livro de ana c. de outra forma
de deslocar o contexto de onde tinham saído os versos
para poder perceber outras relações             a partir
dos próprios versos
foi uma maneira de conhecer ana c. outra vez
parece que a gente está sempre buscando conhecer de novo
refazer o caminho até as coisas
percebi por exemplo que a palavra                             “atravessar”
se repete muitas vezes no início dos versos
ou então que o “agora” é o marcador temporal
mais frequente ocupando o início dos versos
o procedimento deixa a gente curioso
para ler por exemplo
quais são as linhas que começam com o pronome “eu”
nos poemas de ana c.
ou pelo “você”

a teus pés em ordem alfabética foi apenas um jogo de leitura
do qual parti para fazer o poema
há algumas semanas
para o lançamento da obra poética de ana c.
preparei um vídeo a partir desse poema
queria descrever concretamente o processo de feitura
de algum modo essa prática é como a da escrita
escolhi um filme da cineasta belga chantal akerman
je, tu, il, elle
e recortei quatro cenas
o filme parecia um banco de dados
queria pegar uma imagem
que dialogasse com o poema
uma imagem fora do contexto
mas trazendo dele rastros           restos
uma imagem que pudesse estabelecer relações com o texto
escrever também pode ser assim
às vezes basta um verso uma fala solta
que possa se encaixar e transformar um poema
a fala não traz nada do seu contexto inicial?
ele pergunta
seleciono as cenas do filme para importar no adobe pro
depois importo o áudio com a leitura do poema
a partir daí
passo a recortar as cenas
montar              repetir             avançar
ouvir o ritmo do texto a voz da imagem
em movimento
então insiro texto sobre isso tudo
para dialogar com o que está acontecendo
de algum modo é como escrever
e o resultado imprevisto
o vídeo está aqui

Marília Garcia (1979), poema do livro um teste de resistores, 7Letras, 2014

IANSÃ

 
Sopro

leve.

 
Que se atrevendo

atravesse:

 
corpo. muro. corpo.

 
Afago relâmpago

de vento

fêmea,

que conduza o arrepio

através da pele.

E,

por toda ela,

 
reverbere.

 
(Um
 
blefe
 
de um frio,
 
que se respira,
 
e exausta.)

 
Invisível, a tempestade

se revela,

na maquiagem que usa
:
a chuva.

Borra-se,

cai.

Eduardo Lacerda (1982), poema do livro Outro dia de folia, Patuá, 2012

dois poemas

estava atrasado, estava
perdido, estava espalhado
pelas ruas, pelo bairro
com nome engraçado, estava
em desgraça, estava inútil,
tenso, fugindo, deixando-se
pelo caminho, estava,
estava abandonado, lançado
no fluxo insuportável dos dias,
estava pensando em partir,
estava querendo mais, temendo
a trilha, o atalho, estava
perdendo o controle, sentia
o impulso da letra, no meio
da vida: estava

a lua espessa
e um sol vítreo eram tudo
o que vinha do céu

Tarso de Melo (1976). Poema do livro ‘Lugar algum’ (2007), reunido no volume Poemas, 1999-2014, Dobra Editorial, 2014

INVENTÁRIO DE TÍTERES

livro à prova d’água
espessura aquosa

inundações cataratas marujos
caramujas lancinantes

resmas polidas com alicate e arreio
cavalas com valas
nas coxas

riso casco grinalda

inventário alfabético dos mortos
adão susanah
livro de nascimento

páginas pulsam e sangram
designo léguas, libreto a pequenas estrelas

peixe-pêssego

rugir sulfúreo
(ferormônio)

dúctil exumação
dúctil esteio de manobras e ardis
persuadir com laços
e declivoso labor, campos
de inquirição dos beiços

lábios diletos

Érica Zíngano, Renata Huber, Roberta Ferraz. Poema do livro fio, fenda, falésia, 2010

dois poemas

O PRINCÍPIO DO POEMA

Uma mulher atravessou o rio comigo
na névoa e sob o luar,
atravessou o rio ao meu lado
e nem sei mesmo de quem se trata.

Subimos para as montanhas.
Seus cabelos longos e dourados,
coxas próximas ao caminhar.

Abandonamos leis e parentes,
olvidamos o aroma da mesa paterna,
abraçamo-nos de repente
e nem sei mesmo de quem se trata.

Não retornamos aos telhados da cidade,
vivemos entre estrelas na planície,
exércitos não nos encontrarão,
águias tampouco,
um gigante descerá entre nós
e deverá possuí-la
enquanto eu estiver caçando javalis.

E nossos filhos entoarão o princípio
desta tribo em longas canções
festejando fugitivos e deuses
que cruzaram o rio.

Miodrag Pávlovitch (Sérvia, 1928), traduzido por Aleksandar Jovanovic no livro Bosque da maldição, Editora UNB, 2003

Com o fogo não se brinca
porque o fogo queima
com o fogo que arde sem se ver
ainda se deve brincar menos
do que com o fogo com fumo
porque o fogo que arde sem se ver
é um fogo que queima
muito
e como queima muito
custa mais
a apagar
do que o fogo com fumo

Adília Lopes (Portugal, 1960), na Antologia da 7Letras, 2002

dois kästner por drummond

CARTA A MEU FILHO

Afinal, eu quisera ter um filho
Forte e inteligente como essas crianças de hoje.
Só uma coisa me falta para esse menino.
Falta-lhe apenas a mãe.

Não é qualquer moça que serve para esse fim.
Há longos anos eu a estou procurando.
A felicidade é mais rara que os feriados,
E tua mãe nada sabe ainda de nós, meu filho.

Mas um belo dia começas a existir,
E já me alegro por isso.
Aprendes a correr, aprendes a viver,
E o que daí resulta chama-se: uma existência.

A princípio, apenas gritas e gesticulas,
Até passares a outros atos,
Até que teu corpo e teus olhos cresçam
E compreendas o que é preciso compreender.

Quem começa a compreender já não entende mais nada
E olha estarrecido para o teatro do mundo.
No começo, criança necessita muito da mãe.
Mas quando ficares maior, precisarás de teu pai.

Quero levar-te às minas de carvão.
Quero mostrar-te os parques com palácios de mármore.
Tu me fitarás, sem compreender.
Mas eu vou te esclarecer, criança, e me calarei.

Quero ir contigo a Vaux e a Ypres
E lá olhar o mar de cruzes brancas.
Ficarei quieto, nada insinuando.
Mas quando chorares, meu filho, eu estarei de acordo.

Não quero te dizer como vão as coisas,
Quero te mostrar como a coisa é.
Pois a razão só pode vencer por si mesma.
Quero ser teu pai, e não um profeta.

Se entretanto fores um homem como a maioria,
Apesar de tudo que te fiz ver,
Um homem como qualquer outro, fabricado em série,
Então jamais serás o que deves ser: meu filho.

POR ASSIM DIZER, NO ESTRANGEIRO

Estava sentado na grande cidade de Berlim,
Junto à pequena mesa.
A cidade era grande, mesmo sem ele.
Não fazia falta à cidade, bem percebia.
E em seu redor havia veludo.

Pessoas amontoavam-se em cacho,
Apesar disso, estava só.
E no espelho, para onde olhava,
Todos se amontoavam outra vez,
Como se assim devesse ser.

A sala, pálida de tanta luz,
Cheirando a perfume e bolos.
Sério, fita rosto após rosto.
O que ele vê não lhe agrada,
E, triste, desvia o olhar.

Alisa a branca toalha,
Olha no fundo do copo.
Já meio farto da vida!
Que queria dessa cidade,
Ali, sentado, sozinho?

Então se levanta, na cidade de Berlim,
Daquela mesa pequena.
Ninguém o conhece,
Mas começa a tirar o chapéu para todos.
A necessidade nos torna inventivos.

Poemas de Erich Kästner traduzidos por Carlos Drummond de Andrade reunidos no livro Poesia Traduzida, Cosac Naify, 2011

dois poemas

estou aqui
a milhares de quilômetros
com um siso inflamado
e o corpo latejando
com um poema medonho de lindo
da Hilda Hilst na cabeça
e você pula na minha tela do Facebook
sem ser convidada
numa foto patética
seguindo o trio elétrico
da Ivete Sangalo em Salvador
agora te odeio muito mais
daria tudo pra tirar seu nome dos meus livros
e do meu cacete de 26 centímetros, mas isto é quase impossível
vai doer
vai sangrar
vou apenas excluir nosso amigo em comum
que trabalha restaurando
quadros falsificados do Van Gogh
num galpão fedorento em Pindamonhangaba

Diego Moraes (1982), em seu livro ‘Eu já fui aquele cara que comprava vinte fichas e falava Eu te amo no orelhão’, Corsário-Satã, 2015

JUST READ MY DIARY

Em nova York use óculos escuros
Lia avisou ao telefone
lá do queens disse:
use óculos escuros no metrô
no central p. na quinta av.
na B.H. em wall street
no moma na victoria’s secret
na casa do Cruz todo mundo usa óculos escuros
em Nova York pronuncie s=t=a=r b=u=c=k=s
sorria para os ratos da pen’station
e repita I’m so sorry
como o camarada Morrissey grunhindo
why ho-ho-ho ha-ha em fairmount
porque quase sem perceber
nós envelhecemos juntos
cantarolando suehead nas
manhãs geladas de um aeroporto
de nova York ou tanto faz
porque quanto vidro
tanto quanto lixo
atrás dos óculos vi o metrô apagar as luzes
e o cara num inglês bizarro
não como no termini em roma
– próxima fermata uscita lado sinistro –
a voz metálica
ah fellini ah Marcelo
ah você camarada morrissey
na banheira
você me olha melancólico enquanto
lê seu Byron de capa vermelha
e james dean jaz
ah mi nueva York você escureceu
sem mim
tão cedo às 4 da tarde
na esquina da “walk c/ a don’t walk”

Jussara Salazar (1959), poema publicado na revista escamandro #02, Editora Patuá, 2016