dois poemas

A partir das águas

No tempo em que
        o saber vivia à beira d’água
O homem estava bem,
        na indolência agradável de um prado
                com ensinamentos azuis-celestes.
Seu pensar seguia o voo dos pássaros.
Seu pulso batia com o pulso das árvores.
Ele seguia o tratado das papoulas.
As ondas da extensa correnteza
        batiam no abismo de suas palavras.
O homem
        adormecia
                no colo dos elementos.
Pouco antes do nascer do medo
                        ele despertou.

Mas às vezes
Ele transformava
        a estranha canção do crescer
                no pulso terno da alegria.
O joelho da ascensão
        afundava-se no pó.
Outrora
O dedo da evolução estava
                Só
                 Na exata geometria do sofrer.

– Sohrâb Sepehri, Irã (1928–1980), tradução Juliana P. Perez
(poema publicado na revista Poesia Sempre n. 32, FBN, 2009)

Passo um ninho de andorinhas
Duas ou três cosmogonias
Minhas pílulas contraceptivas
Não sei quantas obras-primas
Uma merencória mordida
Minha gravata minha camisa
Passo umas carícias esquisitas
Minha frota submarina
Uma viagem só de ida
Não sei quantas semanas de turista
Meu miligrama de ternura
Uma tarde só neblina
Aquela luz daquele dia
Aquela luz daquele dia
Aquela luz daquele dia

Danilo Bueno, Mauá, SP (1979)
(poema do livro ‘Para viver automaticamente’, Córrego, 2016)