dois poemas

as bases do
íntimo e
expressivo as correntes
do similar sem validade
o discurso
produz e
nomeia teste de
desempenho da
identidade este
tempo não
é tempo de sutilezas
de um mundo simpático
1967
nancy
sinatra
lee
hazelwood
equivaliam
“flowers are the things
we know
secrets are the things
we grow”
2003
kate
moss
bobby
gillespie
distoam
“flowers are the things
we grow
secrets are the things
we know”
não se perde
valor reajusta-se
na inflação da
querença as
versões do mesmo
entre o contíguo e
o similar as
ansiedades do comum
do próprio e do nome

Ricardo Domeneck (1977), poema do livro a cadela sem Logos, 7Letras, 2007

––

Se não sofri ainda mais
nem maltratei
cachorros
se sou prudente com meus olhos
e toco com o palato
como se tocasse piano
a membrana feminina
se busco prazer e não prosódia
é porque você me ensinou
tua risada. (Não foi só a risada
mas um dar as costas
ao gordo triunfo dos ossos).

Nuno Ramos (1960), poema do livro Sermões, Iluminuras, 2015

Deixe uma resposta

Post Navigation