dois poemas: pascoaes & hilst

AS PEGADAS (XVIII)

O caminho é uma pegada mais extensa, branquejando através dos panoramas. É o leito do rio por onde correm as ondas vivas do Tempo – as horas que têm figura: o peregrino de Jerusalém, o almocreve de Trás-os-Montes, o António que vai para o Brasil, o doido de Frariz, esse transviado do mundo que não sabe para onde vai, a Gravuna roendo pedras e imprimindo a sua pegada nos lajedos, o faminto, desde Camões àquele velho dos alforges, a Ana viúva, toda de preto, com dois filhinhos ao colo; o senhor padre-cura, nevrótico, transtornado, que passa na rua, como quem vai matar alguém ou deitar-se duma ponte abaixo… o criminoso que vai para o Desterro, o defunto para o cemitério: – sombra caída e levada por quatro sombras de pé…
Vede as horas andantes que deixam a sua pegada na poeira e a sua imagem no ar…

* * *
– Teixeira de Pascoaes (1877–1952). Poema de O Bailado, Assírio&Alvim, 1987
* * *

MEMÓRIA (8)

Ser terra
E cantar livremente
O que é finitude
E o que perdura.

Unir numa só fonte
O que souber ser vale
Sendo altura.

* * *
– Hilda Hilst (1930–2004). Poema de A trajetória poética do ser (I), reunido no volume Da poesia, Companhia das Letras, 2017
* * *

Deixe uma resposta

Post Navigation