Inti Samba

Era absurdo zoar o estilo popular de Lula. Porque vinha de onde vinha, isto é, de um dos mais importantes movimentos progressistas do século 20, o sindicalismo, e por coparir o primeiro Partido brasileiro genuinamente trabalhista, o PT, a gente esclarecida policiava a gente mais espontânea quando esta tossia sua frustração pequeno-burguesa projetando-a num homem supostamente sem preparo, sem elegância, sem noção, improvisador, aquém da altura, enfim, do cargo que ocupava. A gente esclarecida enquadrava qualquer opinião ofensiva à imagem de Lula como ignorância histórica e cegueira social duma classe médiazinha branco-sulista que se confunde com o próprio atraso do país. 

Mas não se tratava de ir ou não ir com a cara do Presidente. Sim de aceitar que, aos trancos e barrancos, Lula dava sequência mais ou menos meritosa à atualização republicana de Itamar e FHC. Se gambiarras imediatistas marcaram algumas das transformações mais importantes de seus dois mandatos, não foi diferente nos anos do PSDB. A própria estabilização da moeda foi (ou não foi?) um ajuste inusitado e arriscado cujo sucesso é esta sorte de alvorada rediviva a nos querer mais maduros do que, até aqui, a história ela mesma nos permite.

Incompetência, pressa, afasia teleológica, rabo preso, orgulho partidário e corrupção repetem-se amiúde baixo os mais neuróticos disfarces. A lição zero um da administração pública, a de que gastamos, nós o Estado, nem muito nem pouco, mas mal, é a mais resfriada das platitudes políticas deste falso paraíso, e bamboleia, clichê mofado ou peça sem encaixe, ao largo dos diagnósticos críticos da situação. Confundimos estratégia e visão de longo prazo com vontade de subir nas pesquisas, vencer discussões, rebater jornalismos, mostrar pra eles como se faz – porque o estágio desta infanta democracia assim requer, ou assim permite. (Mas quem permitirá mesmo não seremos nós, o Estado, quando o emprestamos ao despreparo e ao assalto em nome da governabilidade – este vício medonho que leiloa a razão e envergonha as gerações futuras?)

O mundo deu lá suas voltas, e hoje a gente esclarecida precisa zoar o estilo popular de Bolsonaro contra o absurdo de sua falta de preparo, de elegância, de noção, seus improvisos e sua altura, enfim, aquém do cargo que ocupa. Não zoá-lo é enquadrado como ignorância histórica e cegueira social da classe médiazinha branco-sulista que se confunde com o próprio atraso do país. 

Bolsonaro vem no entanto de um dos mais importantes movimentos republicanos do Brasil, este que, antes mesmo de 1889, acordava cedo, acampava, exercitava o corpo, enfrentava intempéries e temeridades para salvar um rascunho pátrio – nem que a golpes (ou não foi?). Que um dia, garantidas substância e extensão, firmar-se-iam as gerações capazes de vingar a dor, a exploração, o mando perdulário dos que aqui aportavam para tirar para si e para fora sem comungar com parceiros colonos a devoção pela terra. Somos filhos de Lula, este tipo que se vê em quase cada esquina brasileira, o quanto o somos de Bolsonaro, este tipo que em quase cada esquina brasileira se vê.

Comments are closed.

Post Navigation