O que será a Memória?

Leituras recentes me fazem pensar nas especificidades do modo de existência MEMÓRIA. Objeto de conexão entre os modos da superestrutura (Política, Organização, Ficção, Religião, Redes, Direito etc) e a singularidade do Ser (entidade subjetiva, mental e persistente que possibilita o agir e o experimentar o mundo a partir de uma personalidade), é aludido sem propriedade.

Se quisermos observar a Memória em termos que superem os termos da religião (e.g. Espírito Santo ou Espírito do Mundo), os da ficção (e.g. metáforas advindas da tecnologia computacional), e os da ciência (rol referencial biofísico da processualidade neuroquímica), falaremos da experiência do reconhecimento (MEM) em termos próprios.

Sugiro três abordagens cá rascunhadas à investigação: fenomenológica, ontológica, metafísica. Não para defini-las, mas para buscar.

Fenomenológica: Germinados no evento de um acesso, os atos de MEM são parturientes do campo comum. A total experiência material proscrita é manancial cediço (mesmo se numérico) à elegância dos saberes familiares ou terranos, ativada por acaso e intenção mais ou menos misturados. Mana, pois, da gravação cósmica às aplicações da consciência, amalgamando a inteligência.

Ontológica: Mana, pois, da gravação cósmica, para habitar o Ser que habita os corpos mediadores. Habitante de um habitante, MEM é procuradora de um sentido. Sua fatura é orientar, mas sua explicitação só se faz visível no fazer humano (e.g. MEM•FIC, MEM•POL) comparado, em jornada de reflexão.

Metafísica: Além dos corpos conhecidos haverá, de novo e de novo, novos corpos. O limite à intelectualização dos objetos, portanto, será ferramental antes de concreto. Porém, se MEM é habitante do habitante Ser (procuração), ligado este aos modos da superestrutura (proteção) graças à mediação dos corpos (provação), não será estranho imaginar um corpo real mas processualmente exorbitante, conosco em contato e uso, mas ditoso de fortuna alheia. Se vive em especulação procuradora-protetora-provadora dos fazeres e agires terranos, germinará, alhures e enquanto nos informa, estância outra de experiência.

– –

Comments are closed.

Post Navigation