troncos, ramos, gravetos, coivara; cardumes de mandís apodrecendo; tabaranas vestidas de ouro, encalhadas, curimatãs pastando barro na invernada; jacarés, de mudança, apressados; canoinhas ao sêco, no cerrado; e bois sarapintados, nadando como búfalos, comendo o murerê-de-flôr-roxa flutuante, por entre as ilhas do melosal

Deixe uma resposta

Post Navigation